domingo, 1 de junho de 2014

O SIMBOLISMO DA ÁGUIA - Texto e Ilustrações


A águia é chamada de “rainha dos céus” ou de “rainha das aves” pela sua soberania, beleza e imponência. Por isso é frequentemente associada a coragem e força.  Simboliza nobreza, majestade, liberdade, agilidade e outras virtudes. Sua figura é usada para representar liderança e destacar o espírito vitorioso.


Na mitologia grega, a águia é o símbolo de Zeus, o mais poderoso dos deuses. Na cultura celta é símbolo do renascimento e renovação. Para os antigos egípcios, era o símbolo da vida eterna. Na mitologia escandinava e alemã a figura da águia obtém a preferência do deus Odin, que se esconde na escuridão da noite e nas nuvens tempestuosas.


A águia, como símbolo da força, da grandeza e da majestade, foi usada nos exércitos, figurando nos estandartes de Ciro, rei dos Persas e mais tarde, durante o segundo consulado de Mário, encimando as lanças que eram insígnias das legiões. As águias romanas, de madeira a principio, foram depois de prata ou ouro.


Uma pessoa com talento, perspicácia, inteligência e com excelente visão de negócios é chamada de águia. A “visão de águia” é uma expressão usada em estratégias empresariais para definir quem consegue atingir o topo: pessoas com habilidade de ver além do óbvio e com atitudes firmes para agirem diante de qualquer obstáculo.


As mensagens de motivação, confiança e aumento da autoestima são muitas vezes transmitidas através de analogias com o comportamento soberano e capacidade de renovação dessa ave.


Existem muitas espécies de águias, mas todas se destacam pelo grande porte, com comprimento de até um metro, plumagem vasta, bico curvo e grandes olhos. Possuem uma capacidade visual extraordinária, oito vezes mais precisa que a visão humana. Enxergam a sua presa de muito alto e se alimentam geralmente de pequenos mamíferos, répteis ou peixes. 


Por ser capaz de altos vôos, representa também a proximidade de Deus, sendo considerada mensageira divina. Para muitas culturas, o animal traz proteção espiritual. Na Idade Média, a águia foi diretamente associada à visão de Deus, pois a oração seria como as asas da águia, que se elevam irresistivelmente na direção da luz.


A águia é considerada o Pai do Xamã. Conta a história que o Xamanismo nasceu na Sibéria, e que houve uma época em que esses povos não se entendiam. Uns trabalhavam muito, outros viviam em estado de letargia e aconteciam muitas mortes. Pediram um sinal para o Criador e Ele enviou uma águia, mas ninguém prestou atenção nela. Então, ela voltou ao céu e falou que ninguém entendia suas palavras. O Criador pediu que retornasse à Terra e, no retorno, a águia copulou com uma mulher. Desse nascimento surgiu o Primeiro Xamã, que também foi o primeiro a compreender a linguagem da águia e de outros animais.


Para o Xamanismo a águia é a guardiã do Leste, direção dos visionários, onde mora o fogo e local onde tudo se inicia. É onde buscamos a Visão. Para os nativos norte-americanos, ela é a Grande Águia Dourada e é o poder do Grande Espírito, a conexão com o Divino, representando a habilidade de se viver no reino espiritual e ao mesmo tempo permanecer em conexão e equilíbrio com o reino terrestre. A pena da águia é um grande instrumento de cura.


É um dos símbolos do Cristianismo, ao lado do homem, leão e do touro. Esses quatro animais constituem o que a arte sacra chama de Tetramorfos, isto é, que representa os quatro pontos cardeais, os quatro evangelistas, os quatro elementos e o conjunto espaço-tempo. Por ser símbolo do intelecto claro e da contemplação, já que o olhar da águia fixa a luz do sol, esse pássaro foi escolhido como símbolo de São João e de seu Evangelho.


A águia vive em média setenta anos. Quando chega ali pela metade da existência, seu bico fica enfraquecido e gasto, suas unhas também,  enquanto suas penas tornam-se muito pesadas com a sujeira acumulada nesses anos,  fechando-se ao peito e dificultando-lhe o vôo.


Para sobreviver, deve tomar uma grande decisão: deixar as coisas como estão e morrer, ou desafiar a dor mudança. Normalmente, o instinto de sobrevivência fala mais alto. 


A grande ave voa ate uma fenda do penhasco, junto ao paredão, fazendo ninho onde  possa se abrigar de outros predadores e inicia um verdadeiro ritual de renascimento.  Primeiro, bate o velho bico nas pedras ate arranca-lo e passa a esperar que nasça um  novo. Depois, começa a arrancar com o novo bico as unhas, uma a uma. Quando as  novas unhas surgem, usa-as, juntamente com o bico novo, para arrancar as penas 
endurecidas de seu corpo. 


Então, recupera condições e retorna o vôo livre da vida. Lições para os humanos: visão, mensagens espirituais, grandeza, clareza, inspiração e novos começos.


Todas as belas ilustrações forma selecionadas do DEVIANTART e os créditos estão lincados aos álbuns de seus respectivos autores.

9 comentários:

haylavres78 disse...

Bom dia, Marcelo!!! Gostaria de saber se vc ainda realiza os serviços de consulta astrológica. Grata!!!

haylavres78 disse...

Bom dia, Marcelo!!! Gostaria de saber se vc ainda realiza os serviços de consulta astrológica. Grata!!!

Marcelo Dalla disse...

Olá!!! Realizo sim, dê uma olhada aqui: http://www.marcelodalla.com/2011/01/servicos-de-astrologia.html

Grato!

Irene Carmo Pimenta disse...

Adorei o post vou compartilhar. Peço permissão para compartilhar no meu blog
http://naspegadasdocastor.blogspot.com.br/

haylavres78 disse...

Muito obrigada, seu blog tem sido um bálsamo em minha vida, nesses tempos tão difíceis....

haylavres78 disse...

Enviei uma mensagem para seu e mail.....Obrigada

MARCELO DALLA disse...

Não recebi o email! Pode enviar mais uma vez? marcelodalla@hotmail.com
Grato!!!

haylavres78 disse...

Boa noite!!! Acabei de reenviar....grata.

Carmen Hernandez disse...

Magnifico texto...lindas imagens...um presente para mim hoje. Entre tantos com os quais você nos presenteia todos os dias. Gratidão.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...