terça-feira, 26 de maio de 2009

A ARTE DE LIDAR COM A RAIVA



Olá, amigos!
No livro "A Arte de Lidar Com a Raiva", o Dalai Lama conta uma historinha deliciosa: Um eremita vivia sozinho nas montanhas. Certo dia um pastor passou pelo refúgio do ermitão e perguntou-lhe o que estava fazendo ali, no meio do nada. O eremita respondeu: Estou meditando sobre a paciência. Silêncio. Passado um bom tempo, o pastor virou-se para ir embora e gritou: Ah, antes que eu me esqueça, vá para o inferno!!! E imediatamente, o eremita furioso replicou: Ora, vá você para o inferno!!! Rindo, o pastor seguiu seu caminho, não sem lembrar ao solitário que a paciência precisava antes de tudo ser posta em prática...

Como tantas histórias budistas, esta traz verdades profundas escondidas atrás de uma aparente simplicidade. Primeiro, ficamos sabendo que nossa paciência e tolerância estão sendo testadas a cada passo que damos. Vamos lá, confira você mesmo as chances que teve hoje de estourar com alguém ou com alguma coisa!

A raiva do ermitão nos faz perceber também que a paciência não é virtude que se desenvolva na solidão. Ao contrário, ela nasce do convívio. Não existe desenvolvimento espiritual fora do mundo. A gente precisa ser sábio aqui no meio dos homens, vivendo com eles, sofrendo com eles. Pular fora é fácil, mas não é para isto que estamos aqui!

Conclusão: você pode ficar anos sem ver nenhuma criatura nem sofrer nenhuma contrariedade. No minuto em que você puser os pés no mundo de novo, os gatilhos que fazem detonar sua raiva vão estar lá, ao alcance do seu dedo.


Lidar com a raiva. Será possível? O Dalai Lama explica que a paciência e a tolerância "derivam da capacidade de permanecer firme e inabalável, de não se deixar sufocar pelas situações ou condições adversas". Nada a ver com sinais de fraqueza, passividade ou falta de entusiasmo. Coisas de gente débil, que aceita tudo. Não. Ao contrário, paciência e tolerância são sinais de força de caráter. Pessoas que exercitam a tolerância e a paciência - adverte o Dalai Lama - mesmo que vivam em um ambiente agitado e estressante, conseguem manter a calma, a serenidade e a paz de espírito.

Repararam no verbo exercitar? Estes estados de alma são alcançados se você se acostumar a praticá-los. Simplesmente. Praticar a paciência, no entanto, seria um exercício vazio, se não fosse a compaixão. É ela que dá força e razão de ser para nossa vontade de melhorar e de contribuir para um mundo melhor. "A compaixão pode ser aproximadamente definida como um estado da mente que é não-violento, não-prejudicial, não-agressivo", avisa o Dalai Lama, e completa: "nós possuímos de forma inerente este potencial ou base para a compaixão, assim como a natureza humana básica e fundamental é a gentileza".

Frases para se ter sempre à vista: "Qualquer coisa que me aconteça não vai perturbar minha alegria mental." "Por que ser infeliz com alguma coisa que a gente pode consertar? E de que adianta ser infeliz com algo que não é possível remediar"?

Sejamos felizes!

Veja também: A ARTE DE LIDAR COM A RAIVA II
A ARTE DE LIDAR COM A RAIVA, Dalai Lama  (Ed. Campus)

14 comentários:

Cris disse...

olha...Marcelo...eu admiro muito os ensinamento Budistas, e creio que são cheios de sabedoria, mas como eu ainda estou em constante evolução, e se você sentir muita raiva...rs

Eu recomendo florais de Bach...pra mim é uma beleza, porque haja elevação espiritual para certos momentos que vivemos...rs

Eu por exemplo, ja estou de volta...rs, ativa e operante...rs

bjão

Nana disse...

Marcelo, precisa explicar isso para minha TPM :/
Existem coisas femininas que nem nós entendemos, adorei o texto.
Fique a vontade viu, não quero atrapalhar tb.
Quando vier para SP, quero vip do teatro viu rs
Bjss e boa semana.

marcelo dalla disse...

Cris, eu tb recomendo os florais. Já tomei Impatiens durante um bom tempo. rsrsrs Ninguém está livre da impaciência. Bjo

Wanderley Elian Lima disse...

É Marcelo, realmente é preciso exercitar bastante pois haja paciência para viver num mundo tão sem tolerância.
Um abraço

Fatima disse...

Gostei muito do texto Marcelo.
Trabalho muito este sentimento e tenho aprendido muito.
Bjs.

Rita Garcez disse...

Adorei, Marcelo!
Obrigada por dividir o conhecimento com humildade e fé na força do amor!

Bjs,
Rita

Kyria disse...

Oi Marcelo, paciência é uma conquista do espírito e mostra o equilíbrio daquele que se entrega aos desígnios da Vida. Para reforçar o seu texto vou citar Joanna De Ângelis " a verdadeira paciência é uma atitude dinâmica perante os acontecimentos, não imobilizando o indivíduo, antes, mantendo-o íntegro no dever, vigilante na ação, dedicado no compromisso".
Gostei muito do post, cada vez mais temos que refletir sobre os sentimentos.
Bacana, bacana a ilustração, abraços

marcelo dalla disse...

Kyria, que bela citação! Também me esqueci de dizer que a paciência tem a ver com compreensão... enfim, este tema dá pano pra manga, não? bjo

Kyria disse...

Marcelo, dá pano prá manga sim e podemos conversar muito pois é bom esmiuçar a própria vida né?
A necessidade do auto conhecimento é primordial, só nos ajudando aprendemos a ajudar o outro, para isto precisamos meditar,orar,aquietar
muita paz e bjs.

António Rosa disse...

Olá Marcelo

Ninguém está livre da impaciência. Mas vale o esforço por serenar. Mas estou como a Cris comentou - uma ajuda natural só nos repõe no nosso centro - como os florais, ou a acumpuntura. O reiki também é muito bom.

Marise Catrine disse...

Marcelo,
Fiquei com imensa vontade de conhecer o livro que menciona.
AS últimas frases do post são um autêntico guia!

Obrigada pela partilha.
**

Patricia disse...

Boa Tarde! O que faz um Monge Budista, em um grupo que discute e tem raiva com facilidade? Fica calado? Aconselha?

MARCELO DALLA disse...

Patricia: creio q um monge esperaria a raiva do grupo passar e aconselharia, se quisessem ouvi-lo. Se não quisessem, ficaria calado e deixaria o grupo pra trás com sua raiva. Simples assim.
bjos

Regina Parolari disse...

Grata. Grata. Grata

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...