sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

O DIA EM QUE CAUBY PAROU O CENTRO DA CIDADE

Uma das músicas interpretadas pelo cantor Cauby Peixoto diz que "na vida tudo passa". Mas um episódio antes de seu show no Clube Itajubense, em 1962, entrou para a história.

O público já ocupava os lugares na platéia quando a secretária chegou, nervosíssima, à mesa em que estavam alguns diretores: segundo ela, havia uma baderna do outro lado da praça, em frente ao Grande Hotel Itajubá, onde o cantor estava hospedado. Uma grande turma de estudantes gritava impropérios sob as janelas do primeiro andar - mais para fazer algazarra do que para ofender o artista.

O problema era que a funcionária do clube tinha que cruzar a praça Teodomiro Santiago com Cauby e temia pela insegurança. Avisados, os diretores partiram para o hotel. Pensaram em conversar com os estudantes e até em chamar a polícia. Mas primeiro foram pedir desculpas a Cauby e passar alguma tranquilidade. Mas, para a surpresa dos anfitriões, ele respondeu: "Tudo bem, já estou acostumado."

Devidamente vestido e maquiado para o espetáculo, foi então que lá em cima apareceu: Cauby Peixoto na sacada do Grande Hotel Itajubá. Após alguns segundos de gritos e vaias, ele pediu a todos que o ouvissem. Usou o instante de silêncio para dizer o quanto se sentia honrado por se apresentar numa cidade tão importante, onde viviam estudantes inteligentes, que seriam o futuro pensante do país. Disse também que, em gratidão à cidade, cantaria ali mesmo na sacada uma música em sua homenagem. Então Cauby fez a multidão virar platéia e soltou a sua bela voz, paralisando não só os estudantes, mas todos os que estavam na praça. Foi ovacionado.

Desceu as escadas e cruzou a praça caminhando, entre as palmas febris dos corações, até o Clube Itajubense. Dessa vez eram gritos diferentes: "Cauby! Cauby! Cauby!".

15 comentários:

...vdj... disse...

bélgico!

marcelo dalla disse...

kkkkkkkkkkkkk bélgico é ótimo! O que seria isso?
abraço, amigo!

Paula disse...

Adoro Cauby!! Que classe, hein? Proeza que só os grandes, mesmo.
Uma semana iluminada!

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Bravo!
Que show!
Obrigada por + esta, Marcelo!
Bom dia!
Beijos
Renata

angela disse...

Inteligente e seguro de seu talento. Até hoje canta no bar Brhama no centro da cidade.
beijos

Paulo Braccini disse...

pois então querido ... competência e classe é para quem tem nOn eh? Cauby é o remanescente de uma safra de artistas nacionais em extinção ... uma pena mesmo ...

parabéns pela homenagem

bjux

;-)

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Uma grande voz, um grande artista.
Dos tempos da boa música.

Com classe revidou uma situação desagradável.
Não conhecia essa história. Reforço ainda mais a admiração pelo cantor.

ANORKINDA NEIDE disse...

Ahhhhhhhhhhh amo de paixão o Cauby e sua voz!! huhu!

é o máximo da criatividade, do poder de quem sabe de seu valor!!
é um exemplo não é? esta história!...
quando sabemos que somos grandes, nada nos detém!!

sem falsas modéstias que apenas atrapalham o caminhar, seja pela praça, seja pela vida...

Bélgico!
(seja lá o q for, é Cauby!)
huhiauihua

bj Marcelo!

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

Tem uma música da Dalida que diz algo semelhante: Avec le temps, tout s'en va! (Com o tempo, tudo passa). Acho que as músicas dela se parecem muito com o estilo que ele canta, e amo os dois.

Queria muito ter estado naquele dia, naquele lugar e visto aquele cena. Muito emocionante, com certeza.

Teu blog é bem fixe. Gostei. Au revoir.

marcelo dalla disse...

Pois é meus queridos. Mais que uma homenagem, este é um grande exemplo pra todos nós.
O poder de transforma algo negativo e positivo, reverter a situação a favor com TALENTO E AMOR!

abraços, bjos e um fim de semana bélgico pra todos nós! rsrsrs

zoonzum disse...

Tô lendo a biografia dele, mas ainda estou nos últimos anos da década de 50. Logo que cheguei em São Paulo, fui ver um show dele na boate Scaldal. Foi o máximo. Anos depois tive o prazer de gravar um programa de Natal com ele, Angela Maria e os "mano véio" Pena Branca e Xavantinho na Igreja Nossa Senhora do Brasil, nos Jardins. Elegantíssimo com uma voz fantástica.

HSLO disse...

Nossa ele era gato hein quando novo...rsrs

abraços


Hugo

Livinha disse...

Passou pela prova de fogo e sem temer, confiante na Fé que o sustentara, alcançou a gloria esplendorosa, pelas bençãos divina...
Grde exemplo!

Adorei, você sempre nos trazendo
histórias fantástica, que a gente
nem ficou sabendo, pelo menos naquela época eu ainda uma menina...
Bjss

Maria Izabel Viégas disse...

Marcelo querido do meu coração,
, só cheguei agora rs pois estava caminhando.
Interessante, amigo meu, quando criança eu não gostava de nadica daquelas músicas "deprê", eram só tristeza e culto ao sofrimento, tipo: meu mundo caiu, foste embora e eu quase morri, traiiste meu nome, ai! Eu queria mais, e quando apareceu Elvis no seu Jailhouse Rock, lindo e irreverente, enlouqueci! rss(até hoje não me curei rs)
Mas sempre tive um carinho por Cauby ,( incontável o n°de vezes que ouvi "Conceiçããããããooooo"; diziam que ele era "fruta", e eu pensava : e daí... fruta que canta assim. E é uma simpatia. Viva a fruta!!!
Se todos fossem assim ... fortes, lutando pelo que sonham e pelo valor que sabe que têm...
Ele era e é gentil...
Lindo esta passagem da vida dele.

Qual a sua fonte, ó misterioso Dalla?
És uma enciclopédia vestido com corpo de carne? :))
Amigo lindo, amei a história.
E quem dera se...hoje houvessem mais cantores com " voz de ouro".
Agora qualquer um grava, fingindo que canta .. e o povo grita histérico.
E ficam ricos os tais...
Beijooooooooos!Amei!

marcelo dalla disse...

Queridas Livinha e Izabel!
Que prazer sempre sinto ao ler os comentários de vcs.

Uma história inspiradora, colhida para uma revista que estou produzindo na minha cidade. Fico feliz que gostaram.

Maria Izabel deixou um depoimento maravilhoso, grato pelo carinho de vcs.

Grande bjo!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...